quarta-feira, 2 de junho de 2021

Operação Salomão: retorno de judeus etíopes a Israel completa 30 anos

                     

A Operação Salomão foi uma missão de resgate que emocionou o mundo ao levar 14.310 judeus etíopes a Israel em um período de 24 horas usando 30 aviões.

Para comemorar os 30 anos da Aliyah etíope, o Ministério da Defesa de Israel liberou fotos inéditas da missão, que atendeu ao desejo dos descendentes do Rei Salomão com a Rainha de Sabá, segundo uma das teorias de origem desse povo.

Em maio de 1991, uma fome severa atingia o Norte da África. A situação de segurança na Etiópia sob o ditador Mengistu Haile Mariam já era precária e as lutas entre o governo central e os oponentes de Mengistu aumentaram a probabilidade de queda do governo.

Os rebeldes haviam alcançado os arredores da capital Adis Abeba, ameaçando derrubar o governo e colocar toda a comunidade judaica etíope desarmada e desprotegida em perigo mortal.

Relatórios estavam chegando a Israel sobre a situação perigosa na Etiópia e diplomatas israelenses aconselharam iniciar "um plano de emergência para a proteção e evacuação da comunidade judaica".

Milhares de pessoas se envolveram na missão, que tinha menos de dois dias para acontecer.

A Operação Salomão bateu o recorde de retirada de judeus de território estrangeiro para retorno a Israel. Essa foi a maior Aliyah já realizada, que envolveu 34 jatos jumbo da força aérea israelense, centenas de soldados e a evacuação de 14.200 judeus para sua terra prometida.

Quem são os judeus etíopes

Desde o início, uma comunidade judaica foi estabelecida na Etiópia algum tempo depois da destruição do primeiro templo por volta de 587 d.C. A origem dos judeus etíopes não é clara, embora a maioria acredite que eles sejam descendentes do rei Salomão e da rainha Sabá.

Existem muitas teorias, porém, alguns acreditam que eles são a tribo perdida de Dã, enquanto outros acreditam que são descendentes de cristãos que se converteram ao judaísmo.

Ao longo de sua história, a comunidade foi referida por vários nomes como ''Falasha'', que significa ''estranho'', que mostra como seus vizinhos cristãos os viam como estranhos em sua terra e ''Beta Israel'' que significa literalmente “casa de Israel”. Este nome mostra a profunda conexão da própria comunidade com a Torá e sua fé.

O êxodo Beta de Israel para Israel começou no início dos anos 1980, depois que um golpe no governo etíope levou à morte de 2.500 judeus, seguido diretamente pela Etiópia proibindo a prática do judaísmo e o ensino do hebraico.

Este foi o início de várias operações conduzidas por Israel para resgatar a comunidade Beta Israel. No início, ativistas da Aliyah (hebraico para ascender, imigrar para Israel) e agentes do Mossad que operavam no Sudão chamaram os judeus que foram informados que seriam levados para Israel.

Fazendo-se passar por refugiados cristãos etíopes da Guerra Civil Etíope, os judeus começaram a chegar aos campos de refugiados no Sudão e foram levados para Israel. Mais tarde, o frágil governo da Etiópia proibiu a imigração e o resto das operações tiveram de ser conduzidas em segredo.

O sucesso da operação

Em 1991, preocupado com o destino de Beta Israel durante o período de transição, o governo israelense decidiu lançar sua maior operação até então, e assim, em 24 e 25 de maio, os judeus etíopes que haviam chegado com segurança a Addis Abeba após uma longa e perigosa jornada no deserto etíope foram levados para as aeronaves que os aguardavam.

Para acomodar o máximo de pessoas possível, os aviões foram privados de seus assentos e até 1.122 passageiros foram embarcados em um único avião (o voo quebrou o recorde mundial).

Muitos dos imigrantes chegaram a Isral com nada além de suas roupas e utensílios de cozinha. Eles foram recebidos por ambulâncias, com 140 passageiros recebendo atendimento médico na pista. Duas mulheres grávidas deram à luz no avião e elas e seus bebês foram levados às pressas para o hospital.

A operação foi considerada um grande sucesso e o governo israelense ficou feliz em considerá-la uma conquista.

Para a maioria dos membros da comunidade, o ajuste à sociedade israelense não foi fácil. No início, os recém-chegados passaram de 6 meses a dois anos em centros de absorção aprendendo hebraico, e a comunidade Beta Israel nem sempre foi tratada como igual na sociedade israelense. A comunidade sofreu discriminação e teve um processo geral de integração difícil com o povo de Israel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário